top of page

             Sussurros de leituras

Aqui vão, materializados, alguns sussurros dos encontros que o Senhor Toshiaki vai construindo ao longo de sua vida. São sopros fugidios e relatos embebidos de afeto que narram seu percursos pelo mundo. Se você também tem um eco sussurrante a compartilhar, encaminha para senhortoshiaki@gmail.com

 

"Um livro singular, com projeto gráfico espetacular. Um fazer artístico dos livros que foge de qualquer pensamento massificante ou industrial. De uma sensibilidade incrível, Eduardo nos apresenta, des-apresenta, constrói e desconstrói O Senhor Toshiaki, em simples e potentes versos. Um livro para levar passear, apresentar aos amigos e colocar no álbum da família"
 

  Gustavo Reginato, Editor Caseiro

 

 

"Há indícios e murmúrios de quem seja o Senhor Toshiaki. Há este precioso livrinho de alma dupla, que se faz conosco, eu-outro. O Senhor Toshiaki é quando alguém está só e goza sua solidão. É um silêncio nosso de palavras escondidas, que relutam em se formar. É quando dormimos nus. É também nossa nudez de gestos poucos e simples. Quando não conseguimos mentir. É o nosso ritmo lento. Minha respiração. Sua respiração. O Senhor Toshiaki é qualquer um quando ouve o próprio coração batendo. A quem tiver o privilégio de estar com ele, uma sugestão de amigo: vá ver o mar ou acariciar um cão. O Senhor Toshiaki muito apreciaria isso."

 Mariana Ianelli - poetisa, cronista e crítica literária

 

"Acabo de ler "O Senhor Toshiaki", de Eduardo Silveira. Publicado pela Editora Caseira, de Florianópolis, trata-se de uma edição de artista linda, encadernada e costurada artesanalmente. A história minimalista foi uma das coisas mais bonitas que li recentemente. Encantado com o Sr. Toshiaki que, como escreve o autor, "não é um imigrante japonês", embora "ainda chore pelos acontecimentos da Segunda Guerra Mundial".

Viegas Fernandes da Costa - escritor e historiador

 

"Vi, esse Senhor pela primeira vez, por ouvir falar.
Depois, o vi em frestas e foi o suficiente.
Trouxe-o para casa.
Deixei-o na sala, na passagem. Cada passo, um olhar cada vez mais demorado.
Passo a ponta dos dedos nas suas texturas.
Vou devagar, suave.
Já sei que não é oriental e que não precisa de óculos para ver a vida.
Não tenho pressa.
Contenho ânsias e o desfruto profundamente.

Fátima Teixeira - escritora

Ally Collaço - cineasta, pesquisadora, professora

Leandro Belinaso - professor, escritor, pesquisador

bottom of page